Andresen Colheita (1980)

Este vinho tem uma história engraçada : nasceu do facto de eu querer comprar uma garrafa do ano de nascimento da minha mulher, pela piada ; la fui eu a uma garrafeira conhecida da nossa praça e foi-me muito bem recomendado este Andresen, que não conhecia.

Torci o nariz ( pseudo snobismo de vinhos ) ao facto de ser Colheita, mas insistiram e eu acabei por levar.

Ao despeja-lo no copo, as suas raizes de Colheita não enganam nada – é muito “aguado”, nada licoroso ou untuso como um Vintage ou um LBV antigo e a cor é ambar.

O primeiro impacto do nariz não é muito famoso, com bastante alcool. Na boca, mostrou-se mais suave, com sabores a amendoas e caramelo, enrolados em tostados.

Interessante de ver que o vinho era extremamente sensivel à temperatura e mudava de sabores e aromas com grande intensidade consoante a temperatura – o vinho rapidamente se torna desinteressante na boca a partir dos 19-20º , pelo que recomendo que se beba a 17-18º. Mais quente e ele fica muito meloso e enjoativo e todas as subtilezas que têm ( casca de laranja, amendoados, caramelos ) desaparecem para ficar apenas e somente um “tonel” de mel e melaço.

Mais interessante ainda foi, no dia seguinte, ver os aromas : meu deus como o vinho tinha aberto e tinha um nariz imponente e presente – uma diferença da noite para o dia.

Um vinho interessante mas que custa um pouco justificar os 45 a 50€ pela garrafa de 0.50cl – há prazeres mais interessantes no mundo dos Portos por este preço. Não deixa de ser uma lavagem de olhos interessante do mundo dos Colheitas, que sempre desconsiderei um pouco, mas não são muito o meu perfil – gosto mais das untusidades e envolvencias dos Vintages e LBV’s.

Nota curiosa para o preço : arranja-se este vinho 8 a 10€ mais barato no estrangeiro…….

Nota : 15

Preço : 45.00€ ( garrafa de 0.50cl )

 

FavoriteLoadingAdicionar este vinho à Cave Virtual (clique aqui para adicionar)

Partilhe este artigo:
    Gonçalo Proença

    Sobre Gonçalo Proença

    Conhecido pelo seu amor ao Dão e seus vinhos tendo, no entanto, uma grande paixão pelo Vinho do Porto, sobre o qual escreve - e o qual bebe - regularmente !