Château Bujan Côtes de Bourg (2010)

Gostar de provar vinho em Paris é ironicamente difícil. Aparte do serviço irregular (que merece um texto só seu), eventos como o EVS começam a ser relembrados como mostras passadas […]

Gostar de provar vinho em Paris é ironicamente difícil. Aparte do serviço irregular (que merece um texto só seu), eventos como o EVS começam a ser relembrados como mostras passadas de grande filantropia. É que aqui não há nada disso.

Assim, volvidos dois meses da minha estada e com zero textos publicados no ETOVL, tive de mudar de estratégia. Felizmente, tenho alguns amigos que têm amigos, que estão ora casados entre si ora casados com outrem, que estudaram numa Grande École d’Agronomie. E pela sua mão, destes franceses de uma solidariedade assinalável, vou conhecendo vinhos e degustações à porta fechada. O petit ami de uma grande amiga estagiou em Château Bujan e teve gosto que eu comprasse este 2010.

Trata-se de um Bordéus bem equilibrado e tradicional com uma grande arma: o facto de ser uma inteligente compra na relação qualidade/preço. Pode ser adquirido aqui por 10 euros e cumpre com tudo o que queremos de um Bordéus, não passando despercebido numa soirée.

De um ruby carregado, agrada de imediato no nariz pelo equilíbrio (nada fácil) entre a frescura de alguma fruta vermelha, notas de pimento e aroma de carne. Na boca está ainda jovem em termos de tanino e acidez, com notas de tosta, mas reafirmando-se como um vinho fresco de final satisfatório. De notar também, que conseguiu acompanhar sempre bem um jantar bastante copioso: salmão grelhado envolto em sementes de sésamo, arroz de leite de coco e, de sobremesa, queijo de 20 meses de cura com trufa negra.

Nota: 16,5
Preço: 10 euros

Partilhe este artigo:
    Rita Bueno Maia

    Sobre Rita Bueno Maia

    Administradora e autora da célebre máxima do ETOVL, que entrou na gíria popular: "Quem traz alvarinho, não fica sozinho e quem traz baga, é porque já é da casa."