Quinta do Corujão (2012)

Quinta do Corujão

Neste site, como em quase todos os sites sobre vinhos, falamos muitas vezes de vinhos extraordinários. Falamos também de vinhos que deviam ser extraordinários, mas onde só o preço o é. Em raras excepções, falamos até de vinhos que são inesperadamente extraordinários, quando o preço não o deixava antever. O tópico de hoje é diferente, é um vinho normal, o Quinta do Corujão 2012.

Produzido por três dos mais notáveis enólogos do Douro, Xito Olazabal (Quinta do Vale Meão), Jorge Moreira (Poeira) e Jorge Serôdio Borges (Pintas), o Quinta do Corujão 2012 nasceu de uma ideia conjunta de se juntarem no Dão e alugar por uma década a Quinta do Corujão. Moveu-os a paixão pelo região, disseram à Revista de Vinhos.

É desta a aventura a três que nasce o vinho que vos trago hoje, que apresenta um blend de algumas das castas mais típicas da região: Touriga Nacional, pois claro, Tinta Roriz, Alfrocheiro e Jaen.

O Quinta do Corujão 2012 é um vinho que prima pela elegância, com taninos finos mas que marcam a sua presença. A acidez aparece na medida certa, permitindo que bebam uma garrafa inteira sem ficarem fartos da doçura que os vinhos desta gama costumam garbosamente apresentar.

Acima de tudo, é um vinho que se deixa beber alegremente. Que traz prazer, sem grande complexidade ou complicação. Que podemos abrir sem pensar se precisa de respirar ou quantos copos vamos beber. É um vinho simples, mas que faz disso uma mais valia.

No início do texto disse que era um vinho normal, o que soa naturalmente negativo. Como viram pelo texto, não é. É normal no bom sentido, para um vinho que custa 5 euros. E com esse factor em vista, até é melhor dizer que é anormal, porque é claramente melhor que os vinhos desta gama de preço que vocês andam a beber. Parece exagerado? É, mas mesmo assim experimentem.

Nota: 16
Preço: 5€
Comprar: Garrafeira Estado D’Alma

Partilhe este artigo:
    Nuno Dos Vieira

    Sobre Nuno Dos Vieira

    Dizem as más línguas que gosta muito de vinhos. Ele não desmente. Tintos, Brancos, Fortificados, Espumantes e Rosés. Hoje por esta ordem, amanhã talvez por outra. Intrépido bebedor, nunca vira a cara à prova.