Vestigius Top Wines #5

vestigius_topwines

Foram muitas horas, muitas provas, muitas decisões e finalmente há resultados finais! Os Vestigius Top Wines 2014 estão encontrados e estou tremendamente orgulhoso da escolha final do júri, que representa da forma mais fiel possível a qualidade dos vinhos que nos foram dados a provar. Se só estiverem a ler este texto para saberem os vencedores, podem saltar já para o final do texto. Se quiserem saber como correu o dia todo, que inclui visitas a Colares e provas de Carcavelos, passem ao próximo parágrafo. Vai valer a pena.

E, para não fugir à regra dos 4 primeiros, o dia começou cedo. Pouco passavam das 9h00 quando eu e o João Chambel estávamos na Fortaleza do Guincho para apanhar o Nicolas Clerc e o Brian Julyan. No caminho até lá, falávamos de como só havia uma coisa que nos fazia levantar tão cedo num domingo de manhã: vinho. Essa bebida apaixonante.

Os planos para o dia começavam com uma visita a Colares com o objectivo único de ver as míticas vinhas da região. Quem já viu ou ouviu falar das vinhas de Colares, sabe que estou a falar de exemplares únicos no mundo vinícola, pré-filoxéricos (uma praga que dizimou as vinhas europeias no final do séc. XIX) e com uma forma de crescimento ímpar. O facto de chover copiosamente (como gostam de dizer os comentadores desportivos) não nos impediu de sair do carro e passear entre as vinhas.

O que se seguiu foi ainda mais surpreendente, uma prova em Carcavelos. Para quem não sabe, os vinhos fortificados deste região já foram afamados, mas a filoxera (a praga de que vos falei acima) e o crescimento urbanístico praticamente tornaram extintas as vinhas da região que o Marquês de Pombal ajudou a erguer. Há uns anos atrás a Câmara Municipal de Oeiras começou um projecto que visa revitalizar os vinhos da região e que começou há pouco tempo a dar os primeiros resultados.

A prova de hoje vai dar azo a um texto específico sobre o assunto, mas fiquem desde já a saber que o resultado final foi surpreendente. Pela positiva. Muito pela positiva. O principal destaque vai para o Single Year de 1997, que podem ver o João Chambel segurar triunfantemente na foto de capa deste texto (tenho de referir que ele não ficou contente enquanto não teve uma foto igual à minha e do Nicolas.

Em tempo real estamos de regresso ao Vestigius para a cerimónia final, mas em termos de texto tenho de vos pedir um bocadinho mais de paciência antes de revelar os vencedores. Preciso deste espaço para deixar um sincero agradecimento ao João Chambel por me ter convidado para fazer parte do Vestigius Top Wines 2014. Primeiro, porque demonstra o respeito que ele tem pelas minhas qualidades enquanto provador, o que vindo de alguém que me ensinou quase tudo o que sei é um tremendo elogio, e depois porque me permitiu uma das experiências mais marcantes da minha vida vínica.

Os dias passados com o João, o Brian e o Nicolas foram dias de camaradagem pura. O entendimento foi imediato e isso permitiu que o ambiente de descontração reinasse durante as longas horas passadas juntos. Como canta o Sérgio Godinho a propósito do resultado final, “coisa mais preciosa no mundo não há”.

Finalmente, aqui ficam os grandes vencedores do Vestigius Top Wines 2014.

Tintos (acima dos 20 euros)
Cavalo Maluco 2009
Quinta do Mouro Rótulo Dourado 2009
Block nº3 2012
Villa Oliveira 2009
Quinta Nova de N Srª do Carmo Grande Reserva 2011

Tintos (até 20 euros)
Fonte do Gonçalvinho Reserva Inconnu 2010
Caios 2011
Quinta da Bica Vinhas Velhas 2007
Quinta da Foz 2009
Quinta da Foz Vinhas Velhas 2011

Brancos (acima dos 10 euros)
Caladessa 2013
Casal St. Maria Reserva 2010
Duas Quintas Reserva 2012
Caios 2010
Madrigal 2012

Brancos (até 10 euros)
Sagrado 2012
Quinta do Valdoeiro Reserva 2010
Quinta do Perdigão Encruzado 2011
Quinta da Covela Arinto 2013
Herdade do Arrepiado Riesling 2011

Vinhos da Madeira
Barbeito Verdelho 10 Anos
Blandy’s Malvasia 1996
Blandy’s Terrantez 1976

Espumantes
Joaquim Arnaud Espumante

Rosés
Quinta do Portal 2013
Olho de Mocho 2012
Tears of Anima Rosé Nobile 2013

Moscatel
Adega de Favaios 1980
Joaquim Arnaud Moscatel de Setúbal 2011
Adega de Favaios 10 Anos

Vinhos do Porto
Vintage: Ramos Pinto 2004
LBV: Quinta do Noval 2008
Tawny: Ramos Pinto 20 Anos

Para o ano há mais. E vai ser ainda melhor. Estejam atentos!

Partilhe este artigo:
    Nuno Dos Vieira

    Sobre Nuno Dos Vieira

    Dizem as más línguas que gosta muito de vinhos. Ele não desmente. Tintos, Brancos, Fortificados, Espumantes e Rosés. Hoje por esta ordem, amanhã talvez por outra. Intrépido bebedor, nunca vira a cara à prova.